Google+ Followers

sábado, 26 de abril de 2014

DICAS DA SEMANA ...ÓLEOS VEGETAIS

Para se ter uma ideia, os óleos vegetais são ricos em ômegas 3, 6 e 9 e possuem quantidade menor de gordura saturada, que é maléfica ao coração. Também possuem vitamina E (poderoso antioxidante), potencializam absorção de vitaminas lipossolúveis (A, D, E e K) e ajudam na produção de hormônios como testosterona, cortisol, progesterona e estrógeno.
As versões vegetais ainda ajudam a diminuir o LDL (colesterol ruim) e aumentar o HDL (colesterol bom), previnem diabetes tipo 2 e hipertensão arterial. Além de todas essas propriedades, cada tipo de óleo age de uma forma no organismo.
Para você saber melhor qual tipo de óleo usar para receber benefícios diferentes, pesquisamos os principais óleos que existem no mercado e esmiuçamos suas propriedades. Veja:
Óleo de canola
Um pouco mais caro em comparação aos outros óleos vegetais, o óleo de canola é considerado um dos mais nobres e saudáveis para o coração. Sua quantidade de ômega 3 é alta, perdendo apenas para o óleo de linhaça. Pode ser usado em pratos assados e grelhados e também no preparo de arroz e massas.
Óleo de girassol
Rico em ômegas 3, 6 e 9 e vitamina E, é indicado para o preparo de pratos quentes e frios e para temperar legumes. O óleo de girassol também possui altas doses de triptofano, aminoácido que compõe a serotonina, o hormônio do bom humor.
Óleo de gergelim
Também chamado de óleo de sésamo, o óleo de gergelim é rico em vitamina E, ômegas 3, 6 e 9 e antioxidantes como sesamol e sesamina. Bastante usado em receitas mediterrâneas e orientais, pode temperar saladas, peixes e frangos.
Óleo de amendoim
Este óleo é ideal para frituras, pois consegue atingir a temperatura de 220 graus sem oxidar ou liberar substâncias nocivas ao organismo. Os demais óleos atingem 180 graus. Além de diminuir os níveis de colesterol ruim, o óleo de amendoim previne o envelhecimento precoce. Por ser de fácil digestão é aconselhável para quem tem problemas dessa natureza.
Azeite de oliva
Possui alto teor de vitamina E e de ácidos monoinsaturados. O ideal é usá-lo em pratos frios, para grelhar rapidamente ou na finalização de pratos quentes, pois quando aquecido para frituras pode liberar substâncias tóxicas. A versão extravirgem é a mais recomendada, pois conserva melhor os componentes ativos da oliva. O óleo que vem em vidros escuros corre menos risco de perder os nutrientes, não sofrendo oxidação da luz.
Óleo de coco
Este óleo pode ser usado quente ou frio em receitas salgadas e doces. Rico em antioxidantes, ácidos graxos e vitamina E, o óleo de coco deve ser usado com moderação, pois possui triglicerídeos de cadeia média (gorduras saturadas). Ao mesmo tempo essas gorduras são de rápida digestão, gerando energia e favorecendo o emagrecimento.
Óleo de algodão
Extraído da semente do algodão, o óleo é considerado um ótimo antioxidante, rico em vitamina E. Assim como o óleo de amendoim, preserva seus nutrientes quando aquecido, o que o torna indicado para fazer frituras. Não é muito usado em preparações frias, por ter sabor forte.
Óleo de linhaça
Reconhecido por ter alta quantidade de ômega 3, o óleo de linhaça tem ação antioxidante e anti-inflamatória. Também reduz riscos de diabete tipo 2, complicações cardiovasculares e câncer. Quando aquecido, perde suas propriedades, por isso deve ser utilizado apenas para finalizar pratos e temperar saladas. Outros benefícios são a prevenção do envelhecimento precoce, aceleração do metabolismo e redução da gordura corporal.
Óleo de cártamo
Rico em ácido linoléico, um ácido graxo essencial que não é produzido pelo corpo, o óleo de cártamo equilibra a quantidade de açúcar, aumenta o colesterol bom e previne doenças cardiovasculares e diabetes. Para não perder as propriedades, deve ser usado somente para temperar saladas e finalizar pratos.
Mas não se esqueça: cada grama de óleo possui 9 kcal, então, use com moderação!

Juliana Falcão (MBPress)


Texto extraído do site :http://maisequilibrio.com.br